Trump veta rejeição do Congresso à emergência nacional para construir muro

Trump já havia antecipado vento antes de voto no Senado

WASHINGTON – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta quinta-feira, 14, seu veto à resolução do Congresso contra sua emergência nacional decretada para financiar o muro na fronteira com o México, minutos depois que essa foi aprovada pelo Senado, com o apoio de 12 senadores republicanos.

“VETO!”, escreveu Trump de maneira breve na sua conta do Twitter pouco depois que o Senado aprovou a resolução contra o decreto de emergência, duas semanas depois de a Câmara dos Representantes fazer o mesmo.

Trata-se do primeiro veto presidencial que Trump utiliza desde que chegou à Casa Branca em janeiro de 2017.

A resolução do Senado é especialmente notável já que a Casa conta com maioria republicana, o partido de Trump, razão pela qual representa um duro golpe em sua autoridade.

Desconto especial para você ter informação de qualidade na Semana do Consumidor. Assine sua revista preferida com até 72% OFF.

O resultado de 59 votos a favor e 41 contra mostra que 12 senadores conservadores optaram por unir-se à oposição democrata contra o presidente.

O veto de Trump devolve a proposta ao Congresso, mas agora será necessário o apoio de dois terços da Câmara dos Representantes e do Senado para torná-la efetiva.

Embora possa passar na Câmara, onde os democratas contam com maioria, parece difícil que a proposta alcance os 67 votos necessários no Senado, onde pelo menos mais oito republicanos teriam que se rebelar contra Trump.

A resolução contra a emergência nacional foi apresentada na Câmara dos Representantes pelo presidente do Caucus Hispânico do Congresso (CHC), Joaquín Castro, com o objetivo de censurar Trump por ter passado por cima da autoridade legislativa dos congressistas, que não tinham aprovado os fundos para o muro desejado pelo governante.

No último dia 15 de fevereiro, o governante americano assinou uma declaração de emergência nacional, uma medida extraordinária que permite aos presidentes terem acesso temporariamente a um poder especial para enfrentar uma crise.

Trump justificou sua declaração de emergência em uma suposta “invasão” de drogas e criminosos na fronteira com o México.

Com esse decreto, Trump pretende reunir US$ 6,6 bilhões desviados de diferentes verbas já aprovadas pelo Congresso, que se somariam a outro US$ 1,37 bilhão outorgado pelo poder legislativo para construir a barreira fronteiriça.