Sob a sombra da Netflix, donos de cinemas avaliam o futuro da indústria

LAS VEGAS – Enquanto os donos de cinemas se reúnem em Las Vegas para a convenção anual, um tópico que continua a surgir é como eles lidam com uma empresa que resistiu ao seu modelo tradicional de negócios: a Netflix.

O serviço de streaming de maior sucesso do mundo envia alguns filmes para os cinemas, mas insistiu em disponibilizá-los na Netflix ao mesmo tempo, ou apenas algumas semanas depois. Isso perturbou as grandes cadeias de filmes, que se recusam a exibir filmes da Netflix e querem uma “janela” de tempo maior para exibir filmes exclusivamente.

A questão de como a Netflix se encaixa, ou ameaça, a indústria do cinema dominou uma conferência de imprensa na terça-feira na CinemaCon, a feira da indústria cinematográfica.

Alguns membros da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, o grupo que organiza o Oscar, vêm debatendo se os filmes devem passar nos cinemas por um período específico de tempo para concorrer aos prêmios, o que poderia excluir a Netflix ou forçar a empresa a concordar com exibições no cinema exclusivas e mais longas.

A publicação de Hollywood, Variety, informou na terça-feira que o Departamento de Justiça havia analisado a questão.

O chefe antitruste, Makan Delrahim, enviou uma carta à academia alertando que quaisquer mudanças que limitassem a elegibilidade para as mais altas honras do setor “podem levantar preocupações antitruste”, segundo a Variety.