Presépio na Califórnia mostra Jesus, Maria e José como imigrantes presos em gaiolas  

(Foto: Reprodução/Facebook Karen Clark Ristine)

CLAREMONT – Uma Igreja Metodista de Claremento, na Califórnia, decidiu montar a cena da natividade de Cristo de uma forma a criticar a política imigratória do presidente, Donald Trump, ao separar Jesus, Maria e José em jaulas. Nas redes sociais, a foto viralizou.

O governo americano é acusado de separar as famílias de imigrantes que tentam atravessar a fronteira sul dos Estados Unidos. A prática consistia em separar pais e filhos e coloca-los em campos de detenção que ofereciam pouca, ou nenhuma, infraestrutura e qualidade de vida, como produtos de higiene ou até camas. As crianças foram enviadas para centros de acolhida em lugares diferentes do país.

“Um tempo no qual em nosso país refugiados buscam refúgio nas nossas fronteiras e são forçados a se separar, podemos considerá-las como a família de refugiados mais conhecida no mundo”, escreveu Karen Clark Ristine, reverenda da Igreja de Clearmont, responsável pela montagem do presépio.

“Pouco após o nascimento de Jesus, Maria e José foram forçados a fugir com seu filho recém-nascido de Nazaré para o Egito para fugir do tirano rei Herodes. Eles temiam serem perseguidos e mortos”, continuou Ristine contando a história de Jesus. “E se essa família buscasse refúgio no nosso país hoje?”, afirmou.

Ristine ainda pediu para que se imaginasse se Maria e José fossem separados na fronteira e Jesus, ainda bebê, fosse tirado de sua mãe e colocado atrás das grades de um Centro de Detenção “onde mais de 5,500 crianças foram levadas nos últimos três anos”.

A reverenda concluiu dizendo que dentro da Igreja há um presépio normal para os fiéis.

Trump possui uma retórica dura contra a imigração irregular aos Estados Unidos, tendo como a maior promessa de campanha a construção de um muro que separe seu país do México.

MASSACHUSETTS

Em Massachusetts, a igreja Saint Susanna Parish, em Dedham, usou o cenário do seu presépio para chamar a atenção para o problema da mudança climática.

O menino Jesus, Maria, José e outros personagem que compõem a cena da natividade aparecem cercados por um mar azul. Os animais foram submersos e o lixo, especificamente garrafas de plástico, flutua ao redor da manjedoura.

O cenário traz uma inscrição que questiona: “Deus ama o mundo… Nós amamos o mundo?”

A igreja Saint Susanna Parish usa o presépio para despertar os fieis para questões sociais desde 2017 quando abordou os tiroteios em massa nos Estados Unidos.

No ano passado, o tema também foi sobre imigração. O presépio aparceria atrás de uma grade que representava o muro da fronteira sul do país com o México.

“O evangelho nos chama à ação, nos chama a ver a vida de uma maneira diferente”, disse o padre Stephen Josoma.

(Com Agências)