Megaoperação do ICE deixa crianças no limbo no Mississippi

Parentes e colegas de trabalho acenam para os imigrantes enquanto são levados em ônibus pelo ICE (Foto: AP)

JACKSON – Escolas do Mississippi montaram uma força-tarefa para atender os filhos de 680 trabalhadores presos pelo Serviço de Imigração e Controle de Alfândegas (ICE) dos Estados Unidos nesta quarta-feira, 8.

A megaoperação em sete fábricas de processamento de alimentos no Estado, classificada como a maior da história no país, aconteceu no mesmo dia em que começaram as aulas do kindergarten, equivalente à pré-escola no Brasil, no Condado de Scott.

Segundo o superintendente Tony McGee, pelo menos seis famílias das escolas da região, entre o kindergarten e high school (Ensino Médio), tiveram um dos pais presos nas batidas. O oficial, que se encontrou com autoridades do ICE, disse que o número deve crescer.

Os professores e funcionários do Condado de Scott estão de plantão para dar assistência às famílias. “Vamos fazer o possível para garantir o bem estar dos nossos alunos”, observou McGee.

A orientação para os motoristas de ônibus foi de apenas deixar as crianças em casa “após ter o contato visual com um dos pais ou guardião”. Se isso não for possível, os menores deveriam retornar para a escola.

“Essa situação tem um impacto negativo enorme para as crianças. É um trauma. Não dá para esperar um desenvolvimento escolar normal de um aluno que passa por isso”, reconheceu o superintendente.

Leia também: ICE realiza megaoperação e prende 680 imigrantes no Mississippipa

As operações do ICE atingiram as cidades de Bay Springs, Carthage, Canton, Morton, Pelahatchie e Sebastapol, onde há grande concentração de imigrantes latinos, e ficam próximas à capital Jackson.

Testemunhas disseram à imprensa local que era possível ver crianças acenando para os pais enquanto eles iam caminhando algemados para os ônibus do ICE. Não há o número oficial de menores afetados.

O porta-voz do ICE, Bryan Cox, não soube informar quantos dos presos teriam filhos em casa “uma vez que o processamento das informações estão em andamento”.

“Nem todos os detidos vão permanecer presos. O ICE vai decidir caso a caso quem vai ser solto para responder o processo em liberdade”, afirmou.

Batidas em local de trabalho

Em outubro, o ICE divulgou um balanço que mostrava o aumento nas operações no local de trabalho e afirmou que a tendência era intensificá-las. De outubro de 2017 à setembro de 2018, 6.848 empresas foram investigadas, refletindo uma elevação de 425% em relação ao período anterior quando 1.691 companhias foram alvos de investigação do ICE.

Leia também: Batidas do ICE no local de trabalho aumentam mais de 400%

As auditorias chegaram a 5.981 (1.360 em 2017) enquanto que 779 (139) foram presas por ordem criminal e 1.525 (172) em processos administrativos, o que representa uma alta entre 300 e 750% nos últimos 12 meses impulsionada pelas ações em massa.

SERVIÇO:  A Procuradoria Estadual de Massachusetts publicou um Guia de Emergência para Pais com Situação Imigratória Incerta em português.  Clique aqui para conferir as orientações.