Massachusetts quer endurecer lei contra motoristas embriagados e drogados

30% dos acidentes fatais foram provocados por motoristas intoxicados

BOSTON – Uma força-tarefa quer tornar as leis de Massachusetts mais rígidas contra motoristas que dirigem embriagados ou sob influência de drogas, anunciou o governador Charlie Baker nesta quarta-feira, 14. A parceria com a iniciativa privada e departamentos públicos sugere o endurecimento das leis e o investimento em conscientização dos usuários de maconha em relação ao perigo de dirigir sob a infuência da droga.

“Além de trabalhar junto com as autoridades para aplicar as leis existentes, nossa administração está apresentando um projeto de lei para igualar o tratamento legal do uso de drogas e álcool e aumentar os recursos para manter as estradas seguras”, afirmou o republicano.

A proposta legislativa, formulada a partir de recomendações da Comissão Especial de Direção sob Influência e Direção Prejudicada, prevê a suspenção da carteira do motorista que se recusar a passar por exames toxicológicos.

O texto, que precisa do aval do Congresso estadual, também quer expandir o treinamento do Comitê Municipal de Treinamento da Polícia (MPTC) para que mais agentes estejam aptos em identificar condutores embriagados e drogados, além de permitir que eles sejam testemunhas em casos civis e criminais

Entre outras exigências, a nova lei quer capacitar policiais em busca eletrônica (exames médicos) para comprovar a intoxicação química, como é a prática em mais de trinta outros estados, segundo informações da equipe de Baker.

Desde novembro, quando as lojas de maconha recreativa abriram no Estado, os policiais reclamam da dificuldade de recolher evidências de que um motorista está drogado, limitando ao odor característico da planta e a vermelhidão dos olhos.

Campanha Educativa

O governo quer ainda investir em mais educação nas estradas e tem o apoio da Comissão de Controle de Cannabis, Escritório de Segurança Pública (EOPSS), Commonwealth Dispensary Association (Associação de Defesa do Uso de Maconha, em tradução livre) e Associação Americana de Automóveis (AAA).

O material vai conter informações como o álcool, as drogas e os remédios controlados prejudicam as habilidades de direção, além de diminuir o tempo de reação, a coordenação e a tomada de decisões.

“Nossas pesquisas mostram que os usuários de maconha acham que dirigem bem ou até melhor quando ingerem a substância, mas os dados indicam o contrário”, alerta o secretário de Segurança Pública, Thomas Turco.

A inciativa também vai alertar para as penalidades de operar um veículo sob a influência de maconha, independentemente da quantidade, colocando o infrator em risco de ser enquadrado em OUI (crime de dirigir embriagado) que resulta em até 2,5 anos de prisão.

Números
Segundo dados do governo , a maconha é a droga mais frequente encontrada no organismo de motoristas envolvidos em acidentes em Massachusetts. Entre 2013 e 2017, 30% dos condutores que se envolveram em colisões estavam drogados.

Nesse mesmo período, 11% dos incidentes fatais foram provocados por motoristas embriagados ou sob influência de entorpecentes, 78% eram homens e 48% tinham entre 21 e 34 anos.

De 2016 a 2017, porém, o número de fatalidades envolvendo condutores embriagados caiu 19% de 148 para 120 casos. Segundo especialistas, a redução é resultado de programas educativos como a Blitz da Sobriedade que acontece todos os finais de semana desde 2015.

A ação, que só é suspensa durante os meses de inverno mais rigorosos, foi interrompida no dia 28 de dezembro e ainda não foi retomada esse ano.