Manifestantes de protestos recentes são agitadores, diz líder de Hong Kong

(Foto: EPA)

HONG KONG – A líder de Hong Kong, Carrie Lam, disse nesta segunda-feira, 15, que os manifestantes que entraram em confronto com a polícia no sábado (13) e domingo (14) são agitadores, um termo legalmente tendencioso na cidade. Ela ainda apoiou as ações da polícia para aplicar a lei e perseguir os responsáveis pelos distúrbios.

Carrie fez os comentários em um hospital no qual visitou três policiais feridos nos distúrbios violentos de domingo entre a polícia e manifestantes revoltados com um projeto de lei de extradição.

Ao longo do último mês, Hong Kong foi abalada por protestos de rua grandes e às vezes violentos contra o projeto de lei de extradição, que muitos moradores veem como uma ameaça às suas liberdades, mergulhando a ex-colônia britânica em sua maior crise política desde que foi devolvida à China em 1997.

“Agradecemos aos policiais por manterem a ordem social fiel e profissionalmente, mas eles sofreram em ataques destes agitadores – eles podem ser chamados de agitadores”, disse ela.

Ativistas querem que governo não use a palavra tumulto

Como mais protestos são esperados nos próximos dias e semanas, existe o risco de seus comentários elevarem a tensão.

Alguns ativistas têm exigido que ogoverno evite usar o termo “tumulto”para se referir aos protestos. Uma condenação por tumulto no polo financeiro pode acarretar uma pena de 10 anos de prisão.

Dezenas de milhares de pessoas participaram do protesto de domingo, que terminou em caos em um shopping center onde centenas de manifestantes atiraram guarda-chuvas, capacetes e garrafas de plástico em policiais que lançaram spray de pimenta e usaram porretes.

Carrie disse que mais de 10 policiais ficaram feridos e que seis foram hospitalizados.

Segundo a informação do governo, 28 pessoas, incluindo policiais, ficaram feridas.

O chefe de polícia, Stephen Lo, disse na noite de domingo que mais de 40 pessoas foram presas devido a acusações como agressão a policiais e reunião ilegal.

O chefe de segurança, John Lee, disse que o governo está preocupado com uma escalada aparente da violência por parte de ativistas que atiraram tijolos e barras de ferro.

“Descobrimos que as pessoas que atacaram a polícia são muito organizadas… elas são bem planejadas e existem planos de causar danos e perturbar a estabilidade social deliberadamente”, afirmou Lee ao visitar o hospital com Carrie.