Julgamento de extradição de Assange começa em fevereiro de 2020

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, depois de ser preso em Londres em abril ( Foto: Reuters)

LONDRES – O julgamento de extradição para os Estados Unidos do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, detido no Reino Unido, começará no dia 25 de fevereiro de 2020, segundo determinou nesta sexta-feira, 14, uma juíza britânica.

O jornalista australiano, de 47 anos, enfrenta 18 novas acusações, entre elas por espionagem e publicação de documentos altamente classificados.

Em breve audiência preliminar realizada hoje, Assange defendeu que o WikiLeaks “não é nada mais do que um meio de comunicação” e afirmou que “estão em jogo 175 anos” da sua vida, em referência à pena à qual pode ser condenado.

A audiência aconteceu um dia depois que o ministro de Interior britânico, Sajid Javid, assinou a solicitação de extradição dos EUA.

Em representação da justiça americana, o advogado Ben Brandon, argumentou hoje na Corte de magistrados de Westminster (Londres) que o caso de Assange “tem relação com um dos maiores compromissos de informação confidencial na história dos Estados Unidos”.

Por sua vez, defendendo o jornalista, o advogado Mark Summers ressaltou que o processo contra seu cliente representa “uma agressão frontal e atroz” contra os direitos jornalísticos.

Washington reivindica o ex-hacker por ter conspirado para supostamente invadir computadores do Pentágono.