ICE gasta mais de US$ 1 milhão em tecnologia para ‘hackear’ telefones

WASHINGTON – O Serviço de Imigração e Alfândegas (ICE) dos Estados Unidos gastou em US$ 1,2 milhão em tecnologia para invadir telefones e computadores da Apple em menos de um ano, segundo uma reportagem da revista Forbes.

O primeiro contrato com Grayshift foi assinado em setembro no valor de US$384 mil. Em maio, o ICE fechou outro e pagou US$ 820 mil para a mesma companhia.

O investimento atende a demanda do Departamento de Segurança Interna (DHS) para investigar crimes imigratórios com foco em uma variedade de infrações, incluindo lavagem de dinheiro, tráfico de drogas e exploração infantil.

Um agente do ICE confirmou à reportagem da Forbes que os acordos foram selados, mas disse que “a agência geralmente não discute táticas de como aplica a lei nem técnicas investigativas ou instrumentos de investigação”.

A União de Liberdades Civis Americana (ACLU) criticou a iniciativa. “É preocupante quando uma agência insiste em invadir os telefones de indivíduos sem um mandado judicial e burla as barreiras de segurança”, observa o advogado Nathan Wessler.

O uso das novas tecnologias devem ser implementado inicialmente apenas nas fronteiras, incluindo os aeroportos.