Febre de consumo da black friday toma conta do Brasil

RIO DE JANEIRO – Milhares de pessoas se aglomeraram nesta quinta-feira, 29, em shoppings, lojas de departamentos e supermercados do Brasil inteiro para aproveitar antecipadamente os melhores descontos da black briday, uma data que a cada dia ganha mais seguidores no país.

Horas antes que a black friday comece oficialmente, a febre do consumo contaminou bastantes brasileiros, que saíram em busca dos primeiros descontos.

Em São Paulo, 100 pessoas se reuniram na noite desta quinta no supermercado Extra, um dos mais populares do país, para conseguir uma pechincha. O produto mais procurado, como todos os anos, foi a televisão.

“Sou morador da região (do mercado) e há oito anos participo da black friday”, disse à Agência Efe Valter Pereira, aposentado, que foi ao supermercado em busca da cobiçada TV.

A diretora de marketing do supermercado, Christiane Cruz, disse à Efe que espera quebrar o recorde de vendas este ano, com 15 milhões de clientes nas 28 horas que a promoção durará nas 400 lojas da rede. “Estamos otimistas porque há sinais da economia que mostram que o potencial de compra e planejamento está maior neste ano”, declarou.

De acordo com uma pesquisa divulgada pelo Google, estima-se que nesta edição 37% dos consumidores do país comprarão apenas em lojas físicas, que deverão movimentar R$ 3 bilhões, enquanto 38% farão apenas pedidos online, tipo de venda que levará até R$ 3,5 bilhões em transações.

A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) prevê um aumento de 10% a 12% no comércio eletrônico, que tem uma dimensão maior em relação às lojas presenciais.

Apesar da força do e-commerce, em alguns setores, como o de supermercados, as vendas físicas tendem a ter precedência, o que permanece importante diante do grande número de consumidores que não estão familiarizados com a tecnologia ou não têm cartão de crédito, como explicou à Efe o economista Marcel Solimeo, da ACSP.