Coalizão de 29 estados e cidades dos EUA processa Trump por política de carvão

Usina termelétrica movida a carvão na região de Montana, nos Estados Unidos (Foto: AP)

WASHINGTON – Uma coalizão de 22 estados e sete cidades dos Estados Unidos abriu processo contra o governo do presidente Donald Trump nesta terça-feira, 13, para impedir que ele reduza as restrições às usinas a carvão.

Trump iniciou um desmantelamento sistemático das regulamentações ambientais estabelecidas por seu predecessor Barack Obama, incluído o Clean Power Plan (“Plano Energia Limpa”), que estabelecia cortes nas emissões de gases de efeito estufa das usinas de energia.

Finalizado em 2015, foi suspenso pela Suprema Corte Suprema, e a Casa Branca ordenou à Agência de Proteção Ambiental (EPA, em inglês) que trabalhe numa versão menos restritiva, chamada Affordable Clean Energy (“Energia Limpa Acessível”).

“Este governo decidiu revogar o Plano de Energia Limpa e trocá-lo por um substituto desdentado”, disse o procurador-geral da Califórnia, Xavier Becerra, numa conferência de imprensa em Sacramento.

“É tudo menos limpo, e é qualquer coisa menos energia limpa. A tentativa do presidente Trump de destruir o Plano de Energia Limpa de nossa nação é o caminho equivocado”, acrescentou.

O Affordable Clean Energy permitiria aos estados estabelecer seus próprios padrões para as centrais elétricas de carvão existentes, ao invés de seguir apenas um padrão federal.

Com este plano, espera-se uma redução global muito menos ambiciosa das emissões de dióxido de carbono do setor elétrico até 2030.

Seus detratores argumentam que la iniciativa viola o compromisso da EPA durante o governo Obama, para abordar a poluição gerada pelas unidades de energia e reduz artificialmente a autoridade da Agência.

A demanda, apresentada na Corte de Apelações dos Estados Unidos em Washington, poderia terminar na Suprema Corte.

O governador da Califórnia, Gavin Newsom, disse que o governo Trump estava agindo “a curto prazo”.

“Estão descuidando absolutamente da próxima geração”, disse.

Em seu primeiro ano na presidência, Trump retirou os Estados Unidos do Acordo de Paris sobre mudança climática, que obriga os países a combater o aquecimento global.

O presidente ordenou ao Departamento de Energia investir milhões em pesquisa para impulsionar o rendimento das centrais elétricas de carvão.

Mas a combinação de energia dos Estados Unidos está se afastando rapidamente do carvão para o gás natural como resultado do crescimento da extração deste combustível e da produção da energia renovável.

O consumo do carvão despencou para o nível mais baixo em 40 anos, segundo o Departamento de Energia e as falências aumentaram no setor, fechando dezenas de minas, reduzindo sua capacidade e demitindo centenas de trabalhadores.