CEO do Walmart defende endurecimento ao acesso as armas nos EUA

Vitrine de armas no Walmart

O CEO do Walmart, Doug McMillon, afirmou nesta quinta-feira, 15, que é preciso “bom senso” no debate sobre o acesso a armas nos Estados Unidos e que apóia o fortalecimento de medidas que endureçam a legislação atual.

A maior rede varejista dos EUA está novamente sendo alvo de críticas pela venda de armas após os dois massacres ocorridos no último final de semana e que deixaram 31 mortos. Além disso, dois gerentes do Walmart foram assassinados em um caso isolado.

“Acreditamos que a proibição das armas de assalto deve ser debatida para determinar sua eficácia em manter as armas feitas para a guerra fora das mãos dos assassinos em massa”, afirmou CEO em uma nota publicada hoje.

Entidades que defendem maior rigidez ao acesso a armas criticaram o Walmart pela inércia diante dos recorrentes massacres. Para eles, a rede deveria usar seu peso corporativo para pressionar por mudanças na legislação.

“Somos encorajados pelo amplo apoio que está surgindo para fortalecer as verificações de antecedentes e retirar as armas daqueles que estão determinados a representar um perigo iminente”, disse o CEO.

O Walmart afirmou que é responsável por 2% de vendas de armas e 20% de munições nos EUA. A rede é um importante parceiro de produtores do segmento, como a American Free Brands e Vista Outdoor. Segundo a CNN, a rede é o principal cliente da Vista, responsável por 14% dos US$ 2 bilhões de lucro da empresa armamentista do último ano.