Bloomberg anuncia lançamento de pré-candidatura democrata à presidência dos EUA

Michael Bloomberg em imagem de arquivo

NOVA YORK – O bilionário Michael Bloomberg, ex-prefeito de Nova York, afirmou neste domingo, 24, que participará da disputa no Partido Democrata pela indicação para a disputa da presidência dos Estados Unidos em 2020, mesmo em um cenário já de vários pré-candidatos. Assessores de Bloomberg têm elaborado planos para fazer sua campanha, com a intenção de se concentrar nos Estados que apontam muitos delegados na chamada Super Terça, que ocorre em 3 de março.

Muitos dos pré-candidatos democratas têm investido menos recursos naqueles Estados do que nas primeiras disputas em Iowa, New Hampshire, Nevada e Carolina do Sul. “Eu estou concorrendo à presidência para derrotar Donald Trump e reconstruir os EUA”, afirmou Bloomberg em comunicado neste domingo. “Nós não podemos aguentar mais anos de ações imprudentes e antiéticas do presidente Trump”, criticou. “Ele representa uma ameaça à existência de nosso país e aos nossos valores. Caso ele consiga outro mandato no posto, nós podemos nunca se recuperar do estrago.”

Bloomberg também disse que financiará a própria campanha e que não pretende aceitar qualquer doação. Ele é o fundador e acionista majoritário da Bloomberg LP, a controladora da Bloomberg News. Aos 77 anos, ele se somará a outros septuagenários na disputa, como os senadores Bernie Sanders e Elizabeth Warren e o ex-vice-presidente Joe Biden, que pretendem enfrentar Trump, que tem 73 anos.

Um democrata havia tempos, Bloomberg entrou no Partido Republicano antes de concorrer a prefeito de Nova York em 2001. Ele deixou a sigla e não tinha partido quando chegou a cogitar concorrer à presidência em 2008. Depois no ano passado voltou a se filiar ao Partido Democrata.