Após completar radioterapia, brasileiro busca hospital para tratamento de câncer

Liliam e o filho mais novo, Kadu, de 13 anos, acompanham Ricardo (Foto: Arquivo Pessoal)

HOUSTON – Dois meses após ser diagnosticado com tumores em cinco pontos do corpo, Ricardo Nóbrega, de 60 anos, finalizou na terça-feira , 16 , cinco sessões de radioterapia cruciais para combater a doença. 

O tratamento inicial foi feito no M.D. Anderson Hospital, em Houston, no Texas, e agora o carioca procura outra instituição que possa atendê-lo. “O hospital fez tudo o que pode. Já há um plano de tratamento e eles estão dispostos a compartilhar com os médicos do hospital que o aceitarem”, conta Liliam Tavares que acompanha o marido ao lado do filho mais novo, Kadu, de 13 anos.

Sem dinheiro e sem se qualificar para um plano de saúde na Flórida, Ricardo deixou Orlando no fim de junho em busca de tratamento. O hospital Advent Health negou a radioterapia porque o brasileiro não podia pagar US$ 43 mil à vista.

Uma mobilização da comunidade brasileira angariou US$ 20 mil que o ajudou a quitar as contas dos últimos dois meses e chegar à Emergência do MD Anderson. Após cinco dias de viagem de carro e sem tomar os medicamentos adequados, o carioca registrava batimentos cardíacos abaixo de 38.

Em tempo: Eles ainda enfrentam a limitação de Ricardo não poder viajar de avião uma vez que a alteração da pressão atmosférica pode ser fatal para o paciente.

Ele ficou internado por nove dias no M.D. Anderson, centro de referência no tratamento de câncer,  onde recuperou as forças para ser submetido às sessões de radioterapia essenciais para reduzir o tamanho do tumor no cérebro de Ricardo e, assim, diminuir as dores de cabeça, recuperar o movimento do lado direito da face e fortalecê-lo para começar o combate ao câncer que também se instalou nos pulmões, rim, fígado e ossos.

Ele estava pronto para começar a radiação no dia 11 de julho (quinta-feira) quando Ricardo e a família reviveram drama semelhante ao de Orlando. A radioterapia só seria autorizada após o pagamento de US$ 50 mil. “Eu não podia acreditar que estávamos vivendo tudo aquilo de novo. Estavam deixando meu marido morrer porque não temos todo esse dinheiro.”

Mas quando eles estavam prestes a sair do hospital, Ricardo foi submetido a primeira sessão de radioterapia. “Foi a mão de Deus. Cheguei para buscar Ricardo e ele contou que havia feito a primeira radiação. Tudo mudou novamente”, conta.

As contas hospitalares já somam US$ 89.297 mil e ainda não incluem a máscara usada na radioterapia, as próprias radiações, remédios e biópsia. “O hospital agora trabalha em um plano de pagamento mas não podem fazer mais nada por Ricardo sem pagamento”, diz Liliam.

Leia também: Sem dinheiro, família pede ajuda para salvar brasileiro que luta contra o câncer

O M.D Anderson também liberou US$ 1.138 em medicação por um período de 30 dias. “Eles vão incluir esse valor no plano de pagamento. Mas temos que comprar os remédios para completar o tratamento de 90 dias”, acrescenta.

Além do câncer, Ricardo trata da coagulação do sangue causada por um medicamento experimental ao qual foi submetido e deve passar pelos cuidados de uma fonoaudióloga porque tem dificuldades de engolir, o que pode levá-lo a desenvolver um problema pulmonar. “Ele tem crises de falta de ar, se sente bem cansado e sofre com a dificuldade de engolir. Mas nós só temos a agradecer”, ressalta Lilian que desctaca a vontade de viver e a fé do marido.

A campanha para ajudar a família, que segue em busca de um hospital que o aceite para finalizar o tratamento, continua. “Além do tratamento, eles precisam pagar necessidades básicas como alimentação. Ricardo era quem sustentava a família e Liliam não tem como trabalhar no momento”, destaca a americana Sabrina Araújo que levou a família de carro até o Texas e se divide entre a busca de tratamento para Ricardo e os cuidados com os dois filhos pequenos que a acompanham na viagem. 

Assista o vídeo abaixo que mostra as crianças acompanhando Ricardo na luta pela vida:

SERVIÇO: A família depende de doações para seguir em busca de tratamento. Elas podem ser feitas através da página do Go Fund Me ou pelo PayPal.