Corte nega fiança para sequestrador de criança em Springfield

BOSTON – A Corte Distrital de Springfield negou nesta quinta-feira, 16, fiança a Miguel Rodriguez, de 24 anos, que alegou inocência diante da acusação de sequestrar uma menina de 11 anos.

Rodriguez volta ao tribunal na quarta-feira (22) para uma audiência que vai medir seu grau de periculosidade à sociedade e reavaliar se o réu pode responder o processo em liberdade.  Caso seja considerado perigoso, ele vai permanecer preso por quatro meses até que o seu direito à fiança possa ser revisto.

O suspeito também vai passar por uma avaliação médica de 15 dias com a intenção de definir a sua capacidade mental.

Sequestro

Rodriguez vai responder pelo sequestro de Charlotte Moccia, de 11 anos, na tarde de quarta-feira (15).

A menina foi raptada quando voltava da Hampden Charter School of Science, em Chicopee, por volta das 13h26. Ela desceu do ônibus, já em Springfield, e caminhava para casa próximo às ruas Princeton e Amherst quando foi forçada a entrar em um Honda Civic azul.

Um vizinho ouviu os gritos da menina e acionou a polícia. “Saí correndo quando ouvi a garota gritar por socorro. Ela estava sendo jogada para dentro do carro. Mas foi tudo muito rápido, não tive tempo de anotar a placa do carro”, contou Julius Kenney.

Resultado de imagem para miguel rodriguez springfield ma

A Polícia Estadual emitiu um Amber Alert – aviso automático em emissoras de televisão e rádio, redes de celulares e painéis digitais – e denúncias levaram o carro de Rodriguez a ser interceptado na MassPike às 19h15, quase seis horas após o sequestro.

Charlotte estava no banco de traz sem ferimentos, mas uma faca foi encontrada da parte da frente do carro.

A família de Rodriguez disse à imprensa estar chocada, mas imaginava que o suspeito podia cometer alguma loucura. Ele tem um histórico de crises de paranóia e esquisofrenia há três anos.  A própria irmã do acusado tem uma ordem restritiva contra o jovem por conta de ataques violentos.

Rodriguez faz tratamento no Baystate Medical Center, mas se recusa a tomar os medicamentos.