Mourão vai se reunir com brasileiros em Boston

Hamilton Mourão em imagem de arquivo

BOSTON – O vice-presidente do Brasil, general Hamilton Mourão, vai se reunir com brasileiros em Massachusetts no dia 6 de abril e tem a missão de diminuir a tensão deixada pela visita do presidente Jair Bolsonaro aos Estados Unidos na semana passada.

Mourão chega ao país na sexta-feira (5) para participar da Brazil Conference, evento organizado por estudantes brasileiros da universidade Harvard e do Massachusetts Institute of Technology (MIT), em Cambridge, e se reúne com os imigrantes no dia seguinte. A assessoria do vice não confirmou o local nem quem vai participar do encontro até a publicação dessa matéria.

No mesmo dia, ele terá encontros com o filósofo Roberto Mangabeira Unger, professor de Harvard que assessorou o candidato Ciro Gomes (PDT) na campanha presidencial.

O vice também terá reunião com Jorge Paulo Lemann, segundo homem mais rico do Brasil, segundo a revista Forbes. Lemann, que também participa da conferência, é ex-aluno de Harvard e criou um fundo na universidade para estudos relacionados ao Brasil.
Mourão fará a palestra de encerramento da conferência, no domingo (7).

De Cambridge, o vice-presidente segue para a capital americana, Washington, onde participará de eventos em centros de pesquisas.

Tensão
Tanto Jair Bolsonaro quanto seu filho Eduardo decepcionaram boa parte dos quase 1,5 milhão de brasileiros nos Estados Unidos ao criticarem os imigrantes ilegais no país norte-americano.

Em entrevista à Fox News, o presidente brasileiro disse que “a grande maioria dos imigrantes em potencial não tem boas intenções nem quer fazer o bem ao povo americano”.

Depois, ao ser questionado por jornalistas sobre o que quis dizer com a mensagem, Bolsonaro afirmou que cometeu “um equívoco”. “Foi um equívoco meu. Boa parte tem boas intenções, a menor parte, não. Peço desculpas aí”, disse.

Já Eduardo afirmou que os brasileiros que vivem ilegalmente no exterior são uma preocupação do governo porque são uma “vergonha” para o país.

“O brasileiro que vem para cá [EUA] de maneira regular é bem-vindo. Brasileiro ilegalmente fora do país é problema do Brasil, é vergonha nossa”, declarou.

Eduardo também voltou atrás em sua declaração posteriormente. “A declaração foi para dizer que o Brasil tem responsabilidade com seus nacionais e não vai ficar permitindo a entrada de brasileiro em qualquer lugar que não seja da maneira legal”, disse.

Os comentários não agradaram muitos eleitores. Uma delas comentou durante o programa Bom Dia Manchete, da Rádio Manchete USA, que se arrependeu de enfrentar uma fila por mais de uma hora para votar no presidente.

Se dependesse dos brasileiros que vivem no exterior, a chapa Bolsonaro-Mourão teria sido eleita no primeiro turno com cerca de 58% dos votos. Só no colégio eleitoral de Boston, que inclui os estados de Massachusetts, New Hampshire, Maine e Vermont, eles conquistaram 79,58% dos eleitores em outubro.